C A-    A+ A    A    A
   buscar    busca avançada Mapa do site Fale Conosco  
   

imagem
Santo Antônio tem rosto recriado oito séculos depois com 3D
Clique para ver todas as fotos de Santo Antônio tem rosto recriado oito séculos depois com 3D
A face reconstruída por Cícero Moraes, ainda não divulgada integralmente. Imagem: Divulgação
11/03/2014 - 10:40
O rosto de uma das mais populares figuras do cristianismo passa por uma revisão com base numa tecnologia recente que vem acumulando aplicações. Um busto de Santo Antônio produzido em gesso com uma impressora tridimensional (3D), com traços destoantes dos que costumamos ver, será apresentado em Pádua, Itália, neste ano, oito séculos depois da morte do religioso. 

“As feições serão mais robustas que aquelas com as quais estamos acostumados”, adianta o artista incumbido da reconstrução facial, o mato-grossense Cícero Moraes. “A primeira coisa que vimos foi que o nariz não era fino nem pequeno. Além disso, os lábios eram grandes. Isso se afasta do usual em imagens religiosas, que costumam ser de traços finos, muitas vezes andróginos, infantis.”

O rosto em tamanho real será impresso no Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI/MCTI), em Campinas (SP). Um estudo já foi gerado e, após alterações, a peça definitiva deve estar concluída nas próximas semanas. A entrega ao Museu da Universidade de Pádua está marcada para 13 de junho, dia do santo, e a exibição ao público está prevista para novembro.

“A impressão propriamente dita é relativamente rápida. Um busto assim leva um dia para ficar pronto”, destaca o pesquisador-chefe da Divisão de Tecnologias Tridimensionais (DT3D) do CTI, Jorge Vicente Lopes da Silva. “É como se você imprimisse centenas de folhas com as bordas coloridas.” As cores básicas, que se combinam, são vermelho, verde e azul (RGB, na sigla em inglês usada pelas gráficas em geral).

Modelagem

Cícero Moraes foi convidado para o projeto pelo grupo italiano de arqueologia Arc-Team, com o qual já colaborava e que recebeu a encomenda do museu. “O pessoal da Itália me mandou o crânio digitalizado. A imagem digital foi gerada a partir de fotos da réplica em bronze do crânio, produzida em 1981”, conta. “Aí, fui criando os músculos, fazendo a modelagem anatômica com o programa computacional Blender.”

Ele explica que esse preenchimento parte de tabelas de profundidade de tecido baseadas em numerosos padrões étnicos – no caso, foram usadas as medidas de caucasianos europeus – que, por sua vez, compilam medições feitas em cadáveres desde o fim do século 19. Para a pele e a indumentária, pinturas e relatos foram as referências. A barba rala se baseou em quadros do pintor Giotto, que nasceu algumas décadas depois da morte do santo.

Segundo o artista brasileiro, testes com pessoas vivas mostram que o índice de fidelidade ao original costuma variar de 70% a 92%, e as feitas por ele ficam geralmente na faixa mais alta. “O nariz, a forma geral do rosto e o tamanho dos lábios costumam ficar bem compatíveis com os do indivíduo. Já para a forma dos lábios, por exemplo, não se consegue precisão de 100%. Por isso, embora ‘reconstrução’ seja o termo geralmente usado, prefiro ‘aproximação’.”

A missão no campo da memória religiosa teve apoio do Centro de Estudos Antonianos, ligado à Basílica de Santo Antônio de Pádua, e a possível mudança na imagem foi recebida com tranquilidade, segundo relata Cícero Moraes. “O rosto que veio à tona é muito compatível com o de uma pessoa comum, um homem de 36 anos muito parecido com que alguém que poderia estar ao seu lado neste momento”, observa. “Os santos já são seres perfeitos em seu comportamento. Uma aparência mais comum é um fator que aumenta a proximidade, e isso é bom para a Igreja. Basta pensar na abertura promovida pelo papa Francisco, que faz questão de se mostrar simples.”

Um dos principais nomes do catolicismo, Santo Antônio de Lisboa (ou de Pádua) nasceu na capital portuguesa em 1191 ou 1195, e seu nome de batismo era Fernando. Morreu em 1231 na cidade italiana e foi canonizado um ano depois. Originalmente frade agostiniano, tornou-se depois franciscano. Ficou conhecido pela erudição e pela defesa dos pobres e oprimidos, e é considerado autor de vários milagres. Muitos fiéis recorrem a ele como casamenteiro. Seus restos mortais estão desde 1263 na basílica, construída em sua homenagem.

Evolução e história

Na exposição de novembro estarão retratadas, em suporte digital, mais quatro figuras históricas paduanas. Haverá, ainda, 16 rostos de hominídeos, três deles feitos a pedido do museu e os demais já expostos na mostra Faces da Evolução. Em 15 das 21 reconstruções faciais Cícero Moraes empregou o software livre InVesalius, desenvolvido pelo CTI Renato Archer, que usa tomografias como ponto de partida. “A intenção é criar protocolos científicos de reconstrução que possam ser reproduzidos por quem quiser”, destaca.

A parceria com o CTI Renato Archer começou há dois anos, quando Moraes adotou aquele programa. O trabalho conjunto envolveu a reconstrução de uma múmia do Museu de Washington (Estados Unidos), apresentada em congresso científico em Portugal. Outra das ações foi um treinamento no Blender, ministrado por ele, para a equipe de desenvolvedores do InVesalius.

“Do mesmo modo que podemos recuperar uma história, um personagem, podemos reconstruir o nariz ou a maxila de alguém que os perdeu por causa de um tumor”, ressalta Jorge Vicente Lopes da Silva. Cirurgias de alta complexidade são uma das aplicações que a unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) dá à tecnologia tridimensional.

 

Texto: Pedro Biondi – Ascom do MCTI
 

Outras Imagens
A cripta onde estão os restos mortais, em Pádua. Foto: Wikimedia Commons
A cripta onde estão os restos mortais, em Pádua. Foto: Wikimedia Commons
Marcadores de profundidade de tecido. Imagem: Cícero Moraes e CTI
Marcadores de profundidade de tecido. Imagem: Cícero Moraes e CTI
Capa de apresentação sobre a reconstituição de múmia. Imagem: Cícero Moraes e CTI
Capa de apresentação sobre a reconstituição de múmia. Imagem: Cícero Moraes e CTI
Esplanada dos Ministérios, Bloco E,
CEP: 70067-900, Brasília, DF Telefone: (61) 2033-7500
Copyright © 2012
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação